27.7.16

Curta: Você é África, Você é Linda



O curta destacado hoje aqui no blog é o meu mais recente trabalho no cinema e o primeiro de ficção. Filmado na Bahia, tem no elenco duas das alunas da primeira Oficina de Cinema Independente, realizada na cidade de Jequié: Selma de Oliveira (que aniversaria neste 27 de julho) e Elmira Trindade (que quem frequenta o blog já conhece - ela foi nossa segunda Modelo da Semana). 

O tema do filme é o chamado racismo capilar, ou seja, a discriminação racial dirigida contra alguém centrada nas características do cabelo desta pessoa; a presença de cachos ou o cabelo ser crespo são fatores que demonstram que a pessoa tem origem africana. De modo irracional, essas características, tão naturais como o olho puxado dos orientais, são tomadas por sinal de inferioridade pel@s adept@s da "ditadura do cabelo liso", que passou a ser considerado "padrão de beleza" de uns tempos para cá (saiba minha opinião sobre "padrões de beleza" neste texto). 

A narrativa do curta é simples (Elmira é uma jovem afrodescendente que quer deixar para trás um passado de insegurança em relação a seu cabelo e procura Selma, que lhe foi indicada como uma especialista em turbantes; enquanto mostra vários estilos de turbante, Selma vai incentivando a auto-estima de Elmira, que ao final se sente empoderada) e serve como um veículo para Selma apresentar suas ideias sobre o tema.

Rodado em Jequié em 12 de setembro de 2015, o curta foi lançado no YouTube em 16 de outubro e no blog Jornalismo Cultural no dia seguinte. Para gravar, usei a minifilmadora Sony HD Blogger e também a Nikon S3500; a edição foi feita no Windows Movie Maker. Quase todo o filme saiu do take filmado com a Sony (o segundo); do primeiro, aproveitei basicamente o trecho em que Selma puxa um fio de cabelo de Elmira e diz que os cachos representam a África, fala que acabou inspirando o título do curta. Devido à grande diferença de cor nos dois takes (repare na parede ao fundo), optei por não inscrever o filme em festivais. 



2 comentários:

Carolina Duarte disse...

Sempre arrasando Fábio !
Parabéns pelo filme.
Imagina eu, com cabelo liso e nunca aceitando-o...
Sempre fiz loucuras, enrolava-os, dormia com várias tranças no cabelo para no dia seguinte acordar com o cabelo como o de Elmira.
Faz exatamente 26 anos que uso laquê nos cabelos para deixá-los armados e não tem jeito, quando tenho uma ocasião especial, adivinha ? Corro enrolá-los...rs
Nós mulheres somos assim.

Fabio Gomes disse...

Agradeço a visita e suas belas palavras sobre meu trabalho, Carolina.