27.10.16

Suitando em dobro

Intitulei o textão de hoje como "Suitando em dobro" por dois motivos:

Nele, repercuto os dois textos publicados nas quintas anteriores  -  A permanência da foto em papel, do dia 11, e Especialista em generalidades, do dia 18. 

Emprego o termo 'suitando' pensando em dois significados seus. Em jornalismo, suitar quer dizer "repercutir, dar sequência a um assunto (já publicado)". Quantas vezes já não aconteceu de você saber que um artista que você é fã foi hospitalizado e ficar dias a fio atrás de informações sobre os boletins médicos? Pois é, a divulgação dos boletins suitava o tema da internação. E em música, "suíte" é uma composição que reúne uma sucessão de peças curtas interligadas. (Sugestão para ouvir enquanto lê este post: "Suíte Argentina", de Toquinho). 

***

A permanência das fotos digitais

Eu já pensava em voltar ao tema, agora sob o prisma do digital, antes mesmo de ler, nesta semana, o texto "O que vai ser das minhas fotos?", que Ana Elisa Ribeiro publicou no Digestivo Cultural em 29 de julho, falando tanto de fotos arquivadas em meios digitais quanto impressas em papel - até por ter ganho recentemente uma câmera de filme, o que a levou a telefonar para uma loja, à procura de "álbuns cartona" (no caso, Cartona é o nome de uma empresa que fabrica aquele modelo de álbum autocolante; o álbum que mencionei em meu texto é da marca Kassuga, e em pouco mais de três décadas, como vimos, ele simplesmente arruinou com minhas mais antigas lembranças :/ ). 

Não conservei nenhum negativo do período em que usava câmeras analógicas (parei de usar filme ali por 2002). As fotos mais antigas que tenho posteriores a esta data estão hoje em HDs externos, para onde transferi fotos, documentos e todo tipo de arquivo possível que já tive trafegando entre disquetes, CDs, DVDs, HDs e pen drives. Alguns sites estimam que um CD-RW dure pelo menos 20 anos. Já o tempo máximo de conservação pode variar de 30 a 100 anos (teoricamente quanto mais se regravar uma mídia, menor é a possibilidade que ela dure). Na realidade, em breve é que começaremos a poder aferir isto, já que o CD-RW foi lançado comercialmente em 1997, completando portanto suas primeiras duas décadas no ano que vem. 

Num dos meus HDs externos, tenho imagens que foram sendo digitalizadas de 2002 em diante (ou seja, a partir do lançamento do meu primeiro site, o Brasileirinho). Uma das mais antigas é esta aqui, com data de 13 de dezembro de 2002, reproduzindo a capa da edição dos 90 anos de Os Sertões, de Euclides da Cunha, com o retrato do autor feito por Cândido Portinari. 

Então, superlegal você constatar que dá pra acessar numa boa imagens de 14 anos que foram sendo passadas pelos diversos formatos de armazenamento digital que foram surgindo. Mas nada legal é o fato de eu ter também dois relatos de perdas digitais! Sim! :'(

O caso mais recente foi devido a um incidente ocorrido no dia em que peguei o ônibus de Belém para São Luís, em 18 de maio deste ano. No início da tarde, eu fotografara o começo da ocupação da sede regional do IPHAN no Pará pela comunidade artística, em protesto contra o fechamento do Ministério da Cultura, uma das primeiras medidas adotadas pelo então presidente provisório Michel Temer. Como este blog ainda não existia, as fotos foram publicadas no blog Jornalismo Cultural.

Pois bem, acabei derramando café no notebook, pouco depois de transferir para ele as fotos e publicar o post! Só não fui de imediato numa assistência técnica porque faltava cerca de uma hora para eu pegar o ônibus para o Maranhão. Como o note aparentemente estava funcionando bem, e também porque não havia outra alternativa, o guardei e segui viagem. O note só veio a apresentar problemas quando já me encontrava há uns dois ou três dias no Maranhão - qualquer página aberta ficava se recarregando infinitamente. Diante disso, resolvi fazer um backup no HD de tudo o que fosse importante (o que geralmente é, mesmo, tudo - risos) e levei o aparelho para uma assistência. Porém ao procurar no HD algumas outras fotos feitas em Belém, simplesmente não as encontrei. O técnico maranhense a quem relatei o fato acredita que eu tenha perdido as imagens ou na hora em que o café atingiu o equipamento, ou durante o período em que o aparelho ficou fechado, durante a viagem. Ou seja, no caso não foi uma perda no HD, as imagens sumiram no notebook mesmo. 

Se no caso citado houve um motivo claro para a perda dos arquivos, o que dizer quando você constata que um trabalho seu sumiu assim, do nada? Ano passado, na temporada que passei na Bahia, aproveitei algumas noites sem conexão com a internet em setembro para editar uma série de vídeos da Poeta Amadio. Quando fui mostrar a ela o resultado, em Porto Velho, já em novembro, o ma-te-ri-al-sim-ples-men-te-su-mi-ra-do-meu-HD. Como assim, cara????
D:

***

Sites que conectam fotógrafos a modelos

Depois de ter minha inscrição rejeitada em um site de Chipre apenas por não ter site, mencionei o fato no fórum Mundo Fotográfico (recomendo!) e os colegas me recomendaram duas páginas onde me inscrevi e sugiro que você faça o mesmo:

- Agenda do Produtor - um site nacional, que abrange toda a cadeia da produção cultural e de eventos. Bem fácil de usar e, claro, todo em português ;D

- Model Mayhem - portal norte-americano que reúne quase um milhão de profissionais entre fotógrafos, modelos, cabeleireiros, maquiadores etc. etc. etc. É gente do mundo todo, inclusive muitos brasileiros.

De quebra, fiquei surpreso ao receber um e-mail no domingo, 23, me convidando a fazer meu perfil no site ModelBlissNet, também americano. Atendi o convite e vi que nesse há pouquíssima gente do Brasil - sou o segundo representante do país por lá, sendo aliás o primeiro fotógrafo verde-amarelo por aquelas bandas. Tremenda responsa!

Atualização 14.2.17 -  A Agenda do Produtor é um site onde você encontra muita gente, o que é ótimo, mas onde segundo vi há vários perfis 'abandonados', tipo a modelo se inscreveu em 2014 e nunca mais voltou. Outra séria questão, que me fez sair do site, é que para você se candidatar a qualquer vaga/seleção que veja por lá, precisa ter um perfil pago - o que simplesmente não é informado quando você se cadastra para um perfil gratuito! Com este, você vai apenas saber que poderia participar de determinada seleção....se pagasse pro site. Acabei cancelando meu registro lá. Agora em fevereiro, saí também do ModelBlissNet, nesses quase cinco meses que fiquei com perfil ativo lá não registrei interação alguma, o que tornava então sem sentido minha permanência. Já o Model Mayhem é um site bem mais dinâmico, a única questão para nós, brasileiros, é que, como podemos dizer, por aqui o site "não pegou", a imensa maioria das interações que tenho por lá são de modelos estrangeiras. 

Nenhum comentário: