13.12.16

A batalha da batata frita (As fotos que não fizemos - 2)

Na quinta, 8, publiquei aqui no blog o texto As fotos que não fizemos, listando vários motivos para não conseguirmos fazer algumas fotos. Dando uma relida mais cedo, me dei conta que esqueci de listar um importante motivo, e também que estava devendo contar aqui a histórica 'batalha da batata frita', conforme prometi em meu Facebook pessoal em 23 de novembro. 

Pois bem, o motivo que falta na lista é: muitas vezes, não estamos com o equipamento adequado para realizar as fotos que queremos. O exemplo está aqui no post: nesta foto que fiz aqui em Macapá com meu celular (que, como já falei aqui, é um lixo - risos - mas é verdade), se nota vagamente ao fundo a murada separando a rua do Rio Amazonas. Na parte mais central, há algo que parece uma bolinha preta mas na verdade é... um tico-tico comendo batata frita! Sim! Fiz esta foto às 10h53 do dia citado, e a postei no Facebook acompanhada dos versos  

Bem, não é pra deixar sua mãe aflita 
Mas o tico-tico tá 
Comendo batata frita

... com os quais eu fazia referência a dois clássicos da MPB: "Saudade da Bahia", de Dorival Caymmi, e "Tico-Tico no Fubá", de Zequinha de Abreu (no caso, com a letra de Aloysio de Oliveira). 

Mas enfim, eu estava sentado num banco de madeira próximo da orla, a poucos metros do Trapiche Eliezer Levy, e relativamente próximo da Fortaleza de São José. Inicialmente, pousou perto de mim um tico-tico, segurando no bico um palito de batata frita. Ele voara com a batata no bico e quando pousou a colocou no chão e começou a dar bicadinhas nela. Foi quando fiz a foto que nem mostra nada (rir pra não chorar).

Dali a pouco, aquele tico-tico cansou de tentar comer a batata e voou. Foi quando chegou um segundo tico-tico e começou a atacar a batata. Um terceiro pousou perto do segundo e começou a piar. O segundo tico-tico, incomodado, pegou a batata e voou para 'longe' - ou seja, mais uns dois ou três metros...Mas acabou desistindo também e indo embora. A batata ficou ali um tempo sem ninguém se importar, quando outros ticos-ticos se chegaram a ela e começaram a puxá-la, tentando ou comê-la ou sair voando com ela. Nisso, perto de onde o primeiro tico-tico pousara, chegou outro com uma outra batata (onde esses bichos conseguem tanta batata, Deus meu?). 

Mas a coisa ficou feia foi perto da primeira batata, onde vários ticos-ticos começaram a piar e tentar levá-la embora. Nenhum pássaro atacou diretamente seu semelhante, a disputa era mesmo pela supremacia em relação ao alimento. 

Pelo jeito, ou as batatas não eram tão boas, ou algo mais aconteceu que eu não entendi, pois dali a pouco os pássaros todos foram embora, deixando as batatas apenas levemente bicadas. Nenhum deles tentou levá-las para degustar em outro local. 

E, a tudo isso, eu só lamentando não ter um equipamento que pudesse registrar toda essa maravilha de sequência! Ficará só em minha memória mesmo!

:')



Nenhum comentário: